Matérias‎ > ‎

ed43art2

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Do aço ao concreto: regressão ou inovação tecnológica?
A energia eólica tem sido bastante incentivada nos últimos anos em todo o mundo. Na Universidade Estadual de Iowa, o uso de concreto para a construção das torres eólicas possibilitou, além do aumento da altura, um incremento na vida útil das mesmas.



   Para que a energia eólica seja tecnicamente aproveitável, é necessário que sua densidade seja maior ou igual a 500W/m², o que requer uma velocidade mínima do vento de 7 a 8 m/s. Para conseguir tais condições, as torres eólicas são construídas em aço e projetadas para uma altura de geralmente 80 metros. Pesquisadores da Universidade Estadual de Iowa estudam formas de como construir torres eólicas mais altas sem aumentar significativamente os gastos com as mesmas.

 Tendo em vista que projetar torres eólicas mais altas utilizando o aço acarretaria em aumentos significativos nos gastos e uma logística de implementação mais complicada, começou-se a pensar: porque não fazer uso de concreto para a construção das mesmas? Liderados pelo professor de engenharia Sri Sritharan, um grupo está trabalhando em algumas ideias usando concreto que permita certo grau de modularidade. 

            A proposta baseia-se em construir painéis ligados a colunas ou "células" pré-montadas, que permitiriam torres de diferentes alturas e as tornariam mais fáceis de gerenciar e transportar. Além disso, o projeto aumentaria a vida-útil das torres eólicas de 20 anos para no máximo 40 anos.

Os projetos já testados apresentaram excelentes resultados, boa resistência a grandes pesos, além de um bom desempenho a cargas muito altas. Segundo Sritharan, aumentar as torres de 80 para 100 metros é muito importante para a produção de energia eólica, pois as condições do vento a 100 metros são mais estáveis e menos turbulentas, além da possibilidade de implementar turbinas de pás mais longas, podendo-se aumentar a geração em até 15%.

Os pesquisadores afirmam que ainda há muito que avançar neste estudo, dando destaque para a questão ambiental, tendo em vista que o uso de concreto emite taxas muito significativas de dióxido de carbono quando comparado ao aço. No entanto, o aumento da vida útil das torres, além da possibilidade de elevação das mesmas tem despertado interesse na indústria eólica.


Bruna Larissa Lima Crisóstomo
 
     _________________________________________________________________________________________




  
   








 


A convite do Jornal PET Elétrica, o Prof. Edmar tece comentários a respeito de sua experiência no exterior. Confira!


 


A Professora Dra. Luciana Ribeiro Veloso fala sobre sua área de atuação, descreve o laboratório ao qual está vinculada e comenta sobre seu projeto atual. Confira!

















Comments